Peru – Via Ferrata + Sky Lodge

O Zé tá no Peru!

Vim finalmente conhecer Machu Picchu. Ficarei por 7 dias aqui e o que logo de cara já dá pra notar é que o Vale Sagrado é muito maior que Machu Picchu. Tem muita coisa pra fazer e vale a pena ficar mais.

Principalmente porque os 3 primeiros dias são só pra aclimatar. Não faça muitas atividades intensas nas primeiras 48h.

Eu cheguei de manhã em Cusco e fiz um City Tour pela tarde. Já foi bastante intenso. hahaha Senti muito o ar rarefeito e quase não conseguia subir as ladeiras.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No segundo dia foi o dia de conhecer Piuray. Um povoado interessantíssimos, com muita história sobre os Incas e os povos anteriores. Lá tivemos um bom café da manhã, caiaque com guia explicando a história do local e um almoço sensacional. Se vocês tem mais dias no Vale Sagrado, recomendo muito. Fizemos esse e a maioria dos outros tours com a empresa Explorandes.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bom, agora sim, no terceiro dia foi a vez de fazer a Via Ferrata em Ollantaytambo, subir até o famoso Sky Lodge e descer fazendo zipline até a borda do rio Urubamba. Foi sensacional!!! A altura é de 400m e confesso que quase me mijei nas calças em algumas partes! haha Os guias foram Rodrigo e Cesár, e estavam muito bem preparados. A todo momento você sobe conectado por 2 cabos, o que dá muita segurança também.

Chegando lá, você entra na cápsula restaurante para um lanche rápido. Não sei se é parte do tour, mas os guias nos levaram para ver uma das três cápsulas dormitórios. São bem completas e aposto que a noite lá deve ser duca! Dessa vez não rolou da gente dormir porque já tínhamos hotéis e outros tours programados, mas pra quem se interessar, a noite lá custa por volta de 500 Trumps.

Vale muito a pena! Em vez de postar fotos, fiz um vídeo que explica melhor a experiência. Dá uma conferida aí!

Beijos do Zé!

E meu 2016 foi assim!

Meio atrasado mas pra não deixar passar batido, fiz um vídeo com todas minhas viagens que fiz ano passado. 2016 pode ter sido ruim em vários aspectos, mas acho que fiz do limão uma limonada. Espero que gostem:

Viagens:

  1. África do Sul (Kruger Park e Johannesburg)
  2. Pantanal (Corumbá – Mato Grosso do Sul)
  3. Bonito (Mato Grosso do Sul)
  4. Foz do Iguaçu (Argentina e Brasil)
  5. Vale do Jequitinhonha (Brasil)
  6. Hungria (Budapeste)
  7. Croácia (Hvar, Omis e Zagreb)
  8. Repúbilca Tcheca (Praga)
  9. Eslovênia (Liubliana)
  10. Yellow Stone Park – EUA
  11. Cody – EUA
  12. Sun Valley – EUA
  13. Seattle – EUA
  14. Anchorage, Alaska – EUA

Ficou com vontade de viajar pra algum desses lugares e quer dicas? Me manda uma mensagem aqui nos comentários e a gente bate um papo! Vou ficar muito feliz em ajudar!

Bonito, MS – Parte 01

O Zé tá em Bonito, Mato Grosso do Sul!

Dando uma pausa nas viagens internacionais, agora é a vez de mostrar esse Brasilzão. Explicando rapidamente, tô envolvido na organização da Adventure Week, um evento internacional de Turismo de Aventura que ocorrerá no Pantanal (Corumbá) e Bonito, Mato Grosso do Sul. Agora no começo do ano fui definir o itinerário do evento que será em abril e fizemos um treinamento com operadores locais. Como em Corumbá fiquei apenas 2 dias, vou deixar pra contar depois do evento de abril. Em Bonito eu fiquei 4 dias. Dá pra explicar um pouco melhor. Bora lá!

Primeiro, se você quer ir a Bonito, tenha em mente: programe-se com MUITA antecedência. Tem vários passeios lá que durante a temporada (dezembro a março) ficam sem vaga mesmo. Não adianta chorar, chamar a mãe, o papa, não vai entrar e acabou! Se for na baixa tem mais chances, mas mesmo assim, recomendo contatar uma agência local para verificar preços, disponibilidades e já reservar.

DIA 01

O primeiro passeio que fiz foi a flutuação no Rio Sucuri. Esse é um dos passeios de flutuação mais famosos, junto com a flutuação do Rio da Prata. Os dois custam em média 200 legais (varia um pouco na alta e baixa) e possuem uma certa diferença. No Rio Sucuri tem menos peixes, mas a água é muito azul. Parece um recife de corais. Já o da Prata a água não é azul, mas tem muitos peixes. Mais aquário natural style. Minha recomendação: faça os dois. Se tiver curta a grana, acho que eu escolheria o do Rio da Prata. Mas faça um esforço para os dois que vale.

Água azul do Rio Sucuri
Água azul do Rio Sucuri

A tarde tivemos que fazer visita técnica em muitos atrativos e por isso não deu pra fazer as atividades de fato. Terminamos o dia jantando no restaurante Casa do João. BOM DE-MAIS! Pra quem é fã de peixe, vai se esbaldar. Saudades só de pensar! haha

Bonus info: o Rio Sucuri não tem esse nome porque lá tem muita sucuri. O nome vem do formato do rio. Olhando de cima, parece uma cobra!

Rio Sucuri - escultura na frente da fazenda
Rio Sucuri – escultura na frente da fazenda

DIA 02

Abismo Anhumas
Abismo Anhumas

No segundo dia fui visitar o Abismo Anhumas! Passeio sensa. É o mais cara do Bonito (por volta de R$ 700) mas vale muito a pena. É basicamente um buraco que se abre em um salão do tamanho de um campo de futebol, 72m abaixo do solo. Um salão alagado. O lado do Abismo tem mais 80m de profundidade. O treco é de outro mundo!

Para fazer o passeio, depois de agendar, você deve fazer um treinamento um dia antes na sede no centro da cidade. Eles te ensinam a fazer o rapel e subir na corda (sim, você voltará 72m no braço) e também te dão instruções como: compre um lanchinho pra levar pro buraco.

Abismo Anhumas - Treinamento

Detalhe importante: apenas 20 pessoas podem fazer o passeio por dia. Então esse é outro passeio que você deve agendar com bastante antecedência.

Abismo Anhumas - foto de dentro
Abismo Anhumas – foto de dentro

Agora contando sobre o passeio, o negócio é o seguinte: primeiro você e sua dupla (descem dois por vez) descem no buraco fazendo um rapel de 72m. É bem legal. Eles recomendam que você não pare para apreciar a vista na descida porque terá muito tempo na volta pra fazer isso. hehe

Rapel feito, você cai na plataforma na água e vai pra um deck esperar o resto do grupo. 6 pessoas prontas, começa o passeio de barco. O guia faz um tour de bote por toda a caverna explicando a história do local e as formações rochosas. Voltamos pro deck e é hora de colocar as roupas de neoprene. Todos prontos, bora pra água. Fazemos um tour guiado também. O guia vai na frente flutuando com uma lanterninha na mão. É bem massa também. Para os que tem curso de mergulho, podem fazer a atividade como opção à flutuação.

Por último, voltamos pro deck e vamos nos trocar, colocar roupa seca e… esperar! Sim, dependendo da ordem que você chegou, vai esperar bastante. Por isso o lanche. Chegou a sua vez (e da sua dupla) de subir, segura na mão de Deus e vai. Vocês tem que subir os 72m tudo de volta na corda. A subida demora em média 20 a 30 min, dependendo do fôlego do caboclo! Para os que não tem preparo ou estão impossibilitados por algum motivo, podem pedir o resgate. Aí o pessoal lá reboca você até em cima. Mas se tá jovenzinho, na flor da idade, vá no braço, meu filho! Vale a pena! Tanto pela experiência como pela vista.

Voltando pra cidade, fomos almoçar e pela tarde tivemos reunião o dia inteiro. No final do dia fizemos uma visita à Fábrica de Cachaça Taboa. Também muito legal. Não me lembro exatamente o preço mas não era nada pesado. Posso estar errado, mas acho que era por volta de 30 dilmas. No final do passeio você pode provar uma caralhada de sabores de cachaça. Cuidado pra não sair torto de lá!

Acabado o passeio da Fábrica da Taboa, fomos tomar uma gelada no bar da Taboa, no centro da cidade. Aí foi bão. Cerveja e petiscos. Que mais precisa?

Por enquanto é isso. A parte dois vem já já!

 

Aspen e Snowmass – Colorado, EUA

Outra viagem internacional que fiz em 2015 foi pra Aspen e Snowmass, no Colorado, Estados Unidos. Fui a trabalho e, assim como na viagem de Puerto Varas, não dá pra aproveitar taaanto quanto gostaria, mas já dá pra ter uma ideia e compartilhar um pouco da experiência. Minha viagem foi em junho de 2015 e fiquei lá por quatro dias.

Aspen

Aspen e Snowmass são duas cidades pequenininhas, coladas uma na outra. Talvez a primeira seja mais famosa que a segunda (quem não se lembra do filme do Debby e Lóide?) mas Snowmass também tem seu valor. Elas sobrevivem muito do turismo no inverno, devido às estações de esqui. Quando a temporada começa, a grande maioria dos turistas que tem um poder aquisitivo (bem) elevado chega em seus aviões particulares. Me disseram que mais de 100 aviões particulares pousam por dia.

Pode-se dizer que até há alguns anos, Aspen e Snowmass só existiam durante 6 meses do ano (temporada de inverno) e nos outros 6, com as estações de esqui fechadas, a cidade toda parava. Mas de uns tempos pra cá, começaram a desenvolver muito o turismo baseado em outras atividades de verão, como rafting, hiking, cicloturismo e outras, aproveitando White River National Forest, onde ficam as famosas montanhas Maroon Bells. E também em eventos. Só nesses quatro dias que estive lá pude notar 3 eventos acontecendo ao mesmo tempo, além do que eu estava participando.

Como fui em junho, peguei justamente essa nova fase do turismo de Aspen e Snowmass. Ainda assim, pude perceber muitas lojas e comércios locais fechados. Diria que 50%.

Bom, começando a falar sobre minha experiência, primeiro, o local que fiquei foi em Snowmass, no hotel Pokolodi Lodge. Os motivos foram o preço e a distância pro evento que eu iria trabalhar, que era no Westin Snowmass Resort, que fica exatamente do lado. O hotel era bem bom. Paguei 89 dólares a diária e reservei pelo Booking.com. Só uma dica: peça para ficar nos quartos de cima. Do contrário, se você cair nos quartos de baixo, vai ter bastante exercício físico para vencer as escadas todos os dias.

O primeiro dia lá cheguei a tarde, então aproveitei pra conhecer Aspen. O transporte público é gratuito entre as duas cidades. Basta esperar no ponto e subir nos ônibus. É interessante que para ir de Aspen para Snowmass ou vice-versa, você tem que pegar o ônibus da cidade que está e parar em uma parada no meio das duas cidades (Interception). Espere um tempo (curto) que logo vem o ônibus da outra cidade passando para seguir viagem.

Aspen e Snowmass - mapa ônibus

Continuando, meu primeiro dia/noite foi só conhecendo Aspen que é muito pequena! Fiquei dando uma volta pelas ruas centrais e tirando fotos. A noite comi um hambúrguer no CP Burger. =P

Aspen

No segundo dia, eu tinha que trabalhar apenas de noite. Então resolvi fazer um bike tour com a Blazing Adventures, uma das empresas mais antigas de lá e muito confiável. Recomendo os passeios com eles. O nome do tour, para ser bem específico, foi o Maroon Bells Bike Ride – Full Day. 

Eu expliquei que não era um ciclista muito experiente em longas distâncias, mas eles explicaram que é justamente para quem não tem prática. Eles levam o grupo de ônibus até o lago que beira os Maroon Bells na Whit River National Forest e de lá começa descendo até de volta a Aspen. O trajeto todo é uma descida leve, com algumas paradas para explicação, outra maior com almoço (não se preocupe, está tudo incluso), e por último, terminamos em um restaurante local bem tradicional com alguns drinks por conta da casa! Também não precisa se preocupar com equipamentos ou roupas. Eles fornecem tudo! Uma pena que nesse dia o tempo estava fechado e não deu pra ver as Maroon Bells direito. =/

Maroon Bells

O passeio começou por volta das 9h (ponto de encontro foi o lobby do Westin Snowmass) e terminou por volta das 15h30. O preço foi de 139 dólares.

Esse passeio foi o highlight dessa viagem. Foi sensacional. Recomendo muito mesmo! Tinha outra opção de fazer uma caminhada, mas acho que esse da bike deve ser melhor. Todo o grupo ficou muito satisfeito.

Conheci também alguns restaurantes por lá. Como estava nos Estados Unidos, claro, fui atrás de um bom hambúrguer. Como falei, no primeiro dia comi no CP Burger. Bom! Muita gente recomendou lá, mas parece muito com uma rede, apesar de não ser. Os mais artesanais, que recomendo mesmo, foram o Big Hoss, dentro do Snowmass Mall, e o 520 Grill, em Aspen mesmo. Pode ir nesses dois sem medo que não irá se arrepender!

No último dia, meu voo de volta era a tarde. De manhã, deu pra ir de carro ainda nos Maroon Bells de volta e foi recompensador! Nesse dia o céu estava aberto e deu pra ver muito bem as montanhas!

Maroon Bells, Colorado, EUA
Maroon Bells, Colorado, EUA

É isso! Besos!

 

 

Puerto Varas – Chile (Parte 03)

O Zé ainda tá em Puerto Varas, mas vamos nos encaminhar para finalizar a série de posts sobre o destino. Agora vou postar dicas finais para outros passeios e também algumas gastronômicas. Bora lá!

Mais uma foto de Peulla!
Mais uma foto de Peulla!

Bom, como falei, fui a trabalho, então não tive tempo para quase nada. Eu gostaria muito de ter feito outros dois passeios bem famosos por lá: um que vai para Ilha de Chiloé (para ver pinguins) e outro que era City Tours em Frutillar. O passeio na ilha de Chiloé é um dos mais famosos e um dos mais caros também. Mas todo mundo que vai adora e recomenda. Separe um dia inteiro pra ele. Gostaria muito mesmo de ter feito. Sobre Frutillar, falam muito bem dessa cidadezinha, que é muito bonita. É um passeio mais monótono, de meio dia, se não me engano, mas por outro lado, um dos mais baratos.

Outras dicas para quem vai com mais tempo.

  • Separar um dia inteiro para o passeio no Parque Nacional e outros dois dias para subidas ao Vulcão Osorno;
  • Dois dias no Vulcão porque um você pode fazer esqui/snowboard. E no outro, fazer o Trekking no Glaciar. O custo desse segundo eu sei que é de 40 mil pesos pois eu iria fazê-lo, mas não pude justamente pelo tempo. Merda!;
  • Como o tempo atrapalha muito, tente já planejar esses passeios com alguns dias de antecedência. Entre em contato com a operadora responsável e com alguns dias antes eles saberão quais dias estarão com tempo aberto e quais não. Assim, você já planeja os outros passeios nos dias de tempo ruim;
  • A empresa que cuida dos passeios no vulcão é a Volcan Osorno. Coloco aqui o site deles. Você já pode pegar os contatos e mandar email perguntando: http://www.volcanosorno.com/
  • Tem outro passeio que eles oferecem que pode ser legal também. É um trekking para a Cratera Vermelha. Mas não tenho muitas informações sobre isso.

 

Dicas de Restaurante

Comi muito bem em Puerto Varas. Aí vão alguns dos lugares:

Ceviche do Buenas Brasas - me desculpem mas a vontade era grande e esqueci de tirar a foto antes! kkk
Ceviche do Buenas Brasas – me desculpem mas a vontade era grande e esqueci de tirar a foto antes! kkk

Fogon Las Buenas Brasas – Excelente! O melhor que comi, tanto que fui duas vezes. Fazem muito bem os peixes e os acompanhamentos. E ainda servem de cortesia um pãozinho de entrada com um ceviche que estavam sensacionais. Por mim, eu ficava uma refeição inteira comendo só essa entrada. Bônus: na época havia um garçon brasileiro trabalhando que nos ajudou bastante a entender os peixes e deu várias explicações sobre os pratos e também sobre o turismo local.

Cassis – um dos mais fáceis de localizar, pois fica numa esquina de frente para a praça. Nesse dia eu resolvi comer uma carne pois já estava cansado de tanto peixe. Me arrependi. Não estava boa. Todos que pediram peixe ficaram felizes. No final, vale passar na sorveteria (dentro do restaurante mesmo). Os sorvetes são excelentes e vem em grande quantidade!

Pim’s – Foi bom para assistir jogo de futebol (era dia de jogo Brasil e Chile)! A comida é estilo Outback/Fridays, mas muito gostosa.O atendimento é lento e achei o preço achei um pouco salgado.

Club Aleman – não tive a oportunidade de comer um dia lá, pois a maior parte dos dias eu tinha jantar no evento que estava trabalhando. Mas três pessoas diferentes me recomendaram. Disseram que não é caro e dá pra sentir um pouco da vibe alemã de Puerto Varas. Deixo aqui as recomendações do Trip Advisor sobre ele: https://goo.gl/ixh24Y.

Orquidea – não fui para comer, mas para as baladas de lá! hehe O local é bem pequeno. Bastante! Não cobram pra entrar e a música é bem internacional. Ficam abertos até mais tarde e o interessante: deixam os cachorros de rua entrar para se aquecerem. Então o povo fica lá dançando com os cachorros no meio! hahaha

Ufa! Chega! Espero que o post ajude e se eu lembrar de mais alguma coisa, volto para editar. Qualquer coisa, se tiverem dúvidas, podem entrar em contato:

Email: diegoarelano@gmail.com

Facebook: Facebook – Diego Arelano

Abraços!!!

Hora de voltar - Cordilheira dos Andes vista do Avião
Hora de voltar – Cordilheira dos Andes vista do Avião